Coração em punho

30 de janeiro de 2017

Quando ouvi os tambores do Aláfia me senti o próprio guerreiro de Aruanda atendendo o salve geral para proteger o Quilombo, “só pra firmar!”.

Esse CD que você tem nas mãos nada mais é que o som em forma de flecha abrindo os caminhos pelas florestas escuras desta vida, através da fé, da luta, sem truques nem magia, como um fio desencapado alertando os desavisados: proteja seu Quilombo.

Para ouvir de ouvido e punho, pois ao mesmo tempo que nos conforta com sua musicalidade à flor da pele, também nos chama para a luta por dias melhores, aqui, nesta vida, neste país ou Madagascar. Pois uma música que nasce das ladeiras da fé, da raça de um povo que se recusa a andar de joelhos é o que alimenta o compromisso do Aláfia. Tem a cara das ruas, Desde suas curvas a segredos impossíveis de ver a olho nu.

Música de atitude para ouvir com o coração em punho, tomando banho de poeira, porque como eles mesmo dizem a certa altura da caminhada “Não acredito num Deus que fecha com a segregação.”

Aláfia chama no rôdo, mas te ensina a cair, como num “Parafuso” do mestre besouro. Te arranca o couro, mas te libera a alma. E quando menos você espera, se joga no rio sem saber nadar.

Você vai sentir o SALVE GERAL desse grupo que entra pela orelha e desce dançando pelo poros.

Obrigado por deixar sonhar o sonho de vocês. Axé!

Sergio Vaz